RJ: Polícia leva a cabo 28 chacinas somente em 2018

Ao menos seis pessoas foram mortas anteontem (3) na Cidade de Deus, zona oeste do Rio, em uma operação integrada das Unidades do comando de operações especiais (COE), do 18º BPM (Jacarepaguá) e da UPP Cidade de Deus. Sete pessoas foram baleadas na operação e todas foram levadas o Hospital municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, também na zona oeste, sendo que quatro já chegaram mortas à unidade e outras duas morreram momentos depois. Os dados referentes ao quantitativo de mortos na operação foram extraídos do aplicativo Fogo Cruzado.

As informações foram divulgadas ontem juntamente com um dado assustador sobre a letalidade das operações policiais em 2018. Segundo os dados — detalhados na imagem acima — o ano teve ao menos 28 operações policiais com três ou mais mortes. A Rocinha e a Cidade de Deus despontam como as favelas mais assoladas pela violência do Estado em sua versão mais mortífera. Na Rocinha, em duas chacinas do Estado esse ano, 11 pessoas foram mortas; e na Cidade de Deus, 9 pessoas foram mortas em duas chacinas.

As mais sangrentas das chacinas relacionadas pelo aplicativo Fogo Cruzado foram motivadas pelo desejo de vingança da polícia após o assassinato de um policial. Tanto no caso da Rocinha, no final de março, ocasião em que oito pessoas foram mortas; quanto no caso recente da Cidade de Deus, as operações aconteceram logo após o assassinato de um policial. No caso de ontem, o massacre na CDD foi uma retaliação ao assassinato do capitão Estefan Cruz Contreiras, que era lotado no 18º BPM, que foi uma das unidades que participou da operação de ontem.

O crime levou o comandante do batalhão, coronel Marcos Netto, a convocar seus comandados para uma “guerra sem trégua”, mensagem de áudio divulgada amplamente nas redes sociais e pelo aplicativo Whatsapp.

Quero pedir a todos vocês que se empenhem ao máximo, buscando quem quer que seja, em qualquer buraco, viela, casa, seja lá onde for, os assassinos do Contreiras — esbravejou.

A megaopeação violenta do Estado na Cidade de Deus está baseada em planejamento e inteligência ou em vingança policial? É uma chacina. Vi um policial do BOPE dando tapas nas nádegas de uma mulher. Respeito zero a quem vive na Cidade de Deus — disse pelas redes sociais a comunicadora Vivi Salles, que vive na CDD.

bope-na-cidade-de-deusfogocruzado_chacinas

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPT_BR
es_MXES pt_BRPT_BR