RJ: Duas pessoas mortas em ações da PM na Baixada e Capital

brt-vl2O ano de 2018 certamente será lembrado como um ano sangrento na história do Rio de Janeiro. Em janeiro, o secretário de segurança pública Roberto Sá informou que uma das metas do gerenciamento estadual seria diminuir em 20% o indicador de mortes oriundas de intervenção policial em 2018. Pura falácia. Ainda estamos em abril e o número já ultrapassa a marca de 250 mortos. Segundo dados do próprio ISP — Instituto de Segurança Pública — desde 2003 que a polícia não mata tanto no período entre janeiro e abril.

Essa semana, a PM fez operações na Baixada e Capital do estado que deixaram ao menos duas pessoas mortas. No dia 5, quando ainda amanhecia, a polícia chegou à favela Parque Colonial, no bairro Parque Roseiral, em Belford Roxo, região metropolitana do Rio invadindo casas e revistando moradores. Um homem teria sido baleado e moradores acusam policiais pelo disparo. Ele chegou a ser levado pelos PMs ao Hospital Municipal de Belford Roxo, no bairro Vila Medeiros, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. O local do crime não foi periciado e o caso foi registrado como auto de resistência.

No dia seguinte, milhares de moradores saiam para trabalhar nas favelas Fallet, Fogueteiro, Prazeres e Coroa, quando policiais do CORE, BOPE e Choque chegaram nos acessos ao Complexo pela Rua Barão de Petrópolis iniciando um intenso tiroteio. Imagens de trabalhadores se atirando no chão dos ônibus e procurando abrigo pelas ruas ganharam os noticiários locais e deram uma pequena mostra do terror vivido por milhares de pessoas. Um homem foi morto e ainda não foi identificado e inúmeras violações foram relatadas por moradores pelas redes sociais.

Helicóptero voador, dois caveirões [veículo blindado da polícia], muitos tiros, policiais entrando nas casas sem mandado, caveirão destruindo carros, moradores presos nas ruas sem conseguir sair para o trabalho nem voltar para casa. Muitos tiros na Barão de Petrópolis. Mais de 20 carros da polícia — relatou um morador pelas redes sociais.

Comentários

Comentários

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

es_MXES
pt_BRPT_BR es_MXES